Nao%CC%82%20Xoha%CC%83%2001%20-%20Tito%2

Vila e aldeia de Alter do Chão

VISÃO GERAL 

Alter do Chão está localizada em uma Área de Preservação Ambiental no âmbito municipal (APA). Dentro das determinações legais, esse território é reconhecido como um distrito administrativo que faz parte do município de Santarém. No entanto, as populações indígenas locais, a exemplo da etnia Borari, declaram que Alter do Chão é uma Aldeia. Nos últimos anos o território vem sendo reconhecido nacional e internacionalmente por suas riquezas e belezas naturais, fator que causa um grande crescimento no turismo. Tal crescimento tem influenciado também o número de habitantes que se caracterizam entre os nativos, pessoas de outros municípios ou estados, além de estrangeiros.

TÓPICO CENTRAL

A Aldeia de Alter do Chão vem passando por um processo de disputa do espaço que se entrelaça ente a pressão de vários interesses econômicos e a luta dos indígenas Borari pelo território. Desde 2003 os indígenas da etnia Borari estão na luta pela demarcação do seu território. Porém, interesses particulares, a exemplo do crescimento turístico, mercado imobiliário, grilagem de terras, fatores que refletem em uma urbanização desigual e acelerada, interferem nesse processo de demarcação.

TESTEMUNHO PESSOAL

Vandria Borari

"Olha, existe muitos conflitos aqui de terra. A gente tem ali a capadócia que ela é uma área de uso e ocupação tradicional nosso. Essa área está sendo palco de conflitos, porque está sendo loteada de forma ilegal, então as pessoas não têm mais o seu direito de passagem, como antes. Isso tem reflexo no seu direito de ir e andar nessa área sem qualquer impedimento. E hoje é uma área que é usada para atrativo turístico, porque é área de igapó, de igarapé, a própria área de Savana, uma vez que tem área de cerrado dentro desse bioma que tem aqui, ela é rara e houve muitos casos de as pessoas serem ameaçadas pelos capangas, pelos que vigiam a casa, ameaçado com arma mesmo."

Alter do Chão na voz da moradora e indígena Borari, Ianny Cristhian Vasconcelos Alves